Pragas em jardins: conheça as mais comuns

25/01/2017 Flores, Jardim

Quando se fala em jardim, nem tudo são flores (literalmente!). As pragas são presença comum nos cultivos e atingem a maioria das espécies de plantas, flores, gramados, etc. É inevitável que sua planta tenha problemas com parasitas um dia. Além disso, são várias as espécies que podem atingir seu jardim e fazer dele morada. Abaixo, separamos uma lista com as principais pragas existentes e informações sobre como identificá-las e tratá-las.

Pulgão

Pulgões são clássicos quando o assunto são pragas de jardim. Eles medem de 3mm a 5mm e sua atividade nas plantas é sugar a seiva; se acomodam nos brotos, caule e folhas mais tenras, se reproduzindo muito rápido. Um sinal de que sua planta está servindo de alimento para pulgões é, por exemplo, apresentar folhas amareladas e enrugadas. Assim, podem causar até mesmo o atrofiamento da planta na qual está alojado.

Os pulgões, geralmente, têm preferência por plantas cujas folhas são mais macias e podem aparecer em qualquer época do ano, mas no inverno é mais difícil que eles ataquem.

Podem ser eliminados através de controle químico, natural (através de joaninhas) ou com o auxílio de solução à base de fumo.

Cochonilhas

 

Sem escama

Também são sugadores de seiva, principalmente nas hastes e folhas, ao longo das nervuras. Bem pequenos, costumam apresentar uma cera branca em seu dorso. Por se alimentarem da mesma substância que os pulgões, os prejuízos são basicamente os mesmos: plantas fracas, que acabam se enrugando e ficando amarelas, podendo até mesmo atrofiar.

Para eliminação, há a opção de controle químico ou natural, com o uso de joaninhas.

Com escama

Menores do que as cochonilhas sem escama, estas costumam habitar os ramos novos e as folhas das plantas, local onde se concentra uma maior quantidade de seiva. Se assemelham a pequenas verrugas e podem extrair a seiva até a planta definhar e morrer.

Este tipo de cochonilhas só é eliminado por ação química, sendo necessárias pulverizações a cada 15 dias.

Lesmas e caracóis

Estes são parasitas que todo mundo conhece. As lesmas e os caracóis furam e devoram folhas, caules e botões florais e se alimentam durante o período noturno. Os caracóis, especialmente, podem viver até 12 anos e são hermafroditas (possuem os dois aparelhos reprodutores) e podem chegar a pôr mais de 400 ovos anualmente.

Para eliminar estes incômodos, você pode utilizar iscas, como mata-lesma.

Lagartas

Costumam se enrolar nas folhas jovens e se alimentam, literalmente, de brotos, hastes e folhas novas. Têm preferência por plantas de jardim e que tenham folhas mais macias.  As espécies com pelo são as chamadas “taturanas”.

O controle é simples: se não estiverem em grande quantidade, a eliminação deve ser feita manualmente mesmo, ou seja, retirando as pragas com as mãos, uma a uma; vale lembrar a importância de utilizar uma proteção para evitar o contato do parasita com a pele. Caso as plantas estejam empestadas, é indicado o uso de lagarticida biológico.

Ácaros

Também muito conhecidos, são pequenas aranhas que podem fazer com que a folha na qual habitam acabe se enrolando, podendo até mesmo secar. Eles atacam flores, folhas e brotos; e o sinal que deixam por onde passam é semelhante a marcas de ferrugem. O ataque de ácaros causa diversos prejuízos, como o favorecimento à má formação dos brotos e a diminuição do ritmo de crescimento das plantas, por exemplo. Eles acabam produzindo uma teia bem fina sobre o local onde estão atacando, o que torna fácil a percepção.

Soluções à base de fumo ou inseticidas e fungicidas à base de enxofre são recomendações para o combate de ácaros nas plantas.

Como você viu, as pragas são diversas e podem causar os mais variados prejuízos ao nosso jardim. Por isso, é importante prestar atenção a fim de evitar que elas se instalem nas plantas, flores, etc. Jardim bonito é jardim saudável!

dicas de como montar um jardim pequeno

por que devo podar minhas flores e plantas